Descrição

O presente objeto faz parte do Trabalho de Conclusão do Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia da Faculdade UNIJORGE. Compondo a disciplina Projeto Integrador com o objetivo de divulgar o “Jantar Gourmet”, em destaque a Chapada Diamantina e sua culinária.

Apresentar os pratos com inovação e tradição com base na culinária do século XXI com o olhar dos novos gastrônomos, ou melhor, gastrologo.

domingo, 23 de outubro de 2011

ORIGEM E DIFUSÃO DA PALMA FORRAGEIRA

A origem da palma forrageira dos gêneros Opuntia e Nopalea é o continente americano. O gênero Opuntia que é o mais importante tem o México como centro de origem, dado o grande número de espécies presentes em seu território (FLORES, 1994).
Desde o período pré-hispânico que a palma forrageira é utilizada na alimentação pelo homem no México, assumindo um papel importante na economia agrícola do Império Asteca, juntamente com o milho e a agave, consideradas as espécies vegetais mais antigas cultivadas no território mexicano (REINOLDS; ARIAS, 2004).
Na alimentação humana, geralmente, são usados em preparações culinárias os brotos da palma ou raquetes jovens (cladódios), denominados de verdura e os frutos, ao natural ou processados.
Sua introdução no Brasil se deu pelos portugueses na época da colonização, provavelmente trazida das Ilhas Canárias, sendo estas de origem mexicana e que inicialmente foram utilizadas como corantes naturais, vindo a ser utilizadas como forragem somente por volta de 1915 (PESSOA, 1967). O seu cultivo no Nordeste do Brasil começou no início do século XX, o mesmo acontecendo concomitante nas regiões áridas e semi-áridas dos Estados Unidos, África e Austrália (TEIXEIRA et al., 1999).
A grande diversidade de usos e aplicações da palma forrageira revela a versatilidade dessa espécie vegetal, que apesar de ser cultivada no semi-árido baiano para alimentação animal, não tem sua potencialidade explorada plenamente. Em conseqüência, vêm sendo desperdiçadas excelentes oportunidades para melhoria dos índices sociais e econômicos desse espaço geográfico, mediante a geração de postos de trabalho, renda, oferta de alimentos e preservação ambiental. Mundialmente, a palma forrageira é usada na alimentação humana, arraçoamento animal, como fonte de energia, na medicina, na indústria de cosméticos, na proteção e conservação do solo, dentre outros usos nobres, a exemplo da fabricação de adesivos, colas, fibras para artesanato, papel, corantes, mucilagem, anti-transpirante e ornamentação (BARBERA, 2001).


Nenhum comentário:

Postar um comentário